Passaporte para trânsito de cães e gatos

Passaporte para trânsito de cães e gatos

Saiba tudo para levar seu pet na viagem de avião para o exterior!

Certamente uma das decisões mais difíceis para aqueles que têm filhotes de quatro patas é levar o seu pet ou não na sua viagem. Mas também existem aqueles que podem não ter escolha: pessoas e famílias que estão mudando de Estado ou país e precisam levar seu bichinho de estimação junto.

Viajar com o pet definitivamente não é fácil, porém, com bastante preparo e planejamento é perfeitamente viável. Cada companhia aérea possui suas regras e restrições para o transporte de bichos de estimação, por isso, seu primeiro passo deve ser consultar os requisitos necessários para efetuar o transporte.

Algumas companhias aéreas permitem que o transporte seja feito na cabine ou no compartimento de carga; outras permitem que o bichinho seja transportado apenas no compartimento e algumas outras não fazem o transporte. Por isso, antes mesmo de comprar as passagens certifique-se de que será possível levar seu pet com a companhia aérea escolhida.

Em seguida, agende algumas visitas ao veterinário. Seu pet deve estar com todas as vacinas em dia e você vai precisar solicitar que o médico emita alguns documentos. Uma viagem de avião, mesmo que seja curta, pode estressar até mesmo o animal mais dócil, por isso é muito importante se atentar para o estado de saúde do seu bichinho.

🐱 Cães e gatos já podem tirar passaporte no Brasil!

A seguir em passaportebr.com vamos explicar tudo sobre o que você precisa para fazer a viagem com seu pet acontecer. Começamos?

Qual é a documentação necessária?

São dois os principais documentos exigidos para qualquer viagem de avião com animais de estimação, tanto para destinos nacionais quanto para os internacionais: o CVI (Certificado Veterinário Internacional) e o Passaporte para Trânsito de Cães e Gatos.

Para voos nacionais e países do Mercosul, é necessário apresentar apenas um dos dois documentos. Já voos internacionais para outros destinos apenas o CVI será aceito. Além disso, será necessário apresentar alguns documentos que comprovem a saúde e sanidade do animal.

O primeiro deles é o Certificado de Vacinação Antirrábica para animais com 3 ou mais meses de vida. A vacina deve ter sido aplicada entre 30 dias a 1 ano antes da data da viagem e caso não seja possível comprovar a validade (em caso de falta de carteirinha de vacinação ou ações públicas) será necessário a reaplicação em até 30 dias antes do voo.

Outro documento exigido é o Atestado de Sanidade, expedido por médicos veterinários. As companhias aéreas possuem regras diferentes para este documento, mas em média ele deve ter uma validade de até dez dias antes do embarque.

Cada país possui suas próprias regras e restrições para permitir a entrada de animais, por isso, seja qual for o seu destino, antes mesmo de comprar a passagem você deve procurar o consulado ou órgão responsável para obter maiores detalhes e verificar qual a documentação exigida e quais são as possíveis restrições para entrada de animais. O planejamento é essencial.

Também vale ressaltar que esta documentação refere-se apenas ao transporte de cães e gatos. Outros animais de estimação possuem procedimentos especiais e devem ser consultados junto ao órgão responsável antes da viagem.

A seguir veremos maiores detalhes sobre o CVI e o Passaporte Pet.

O CVICertificado Veterinário Internacional CVI

O Certificado Veterinário Internacional é o principal documento para quem vai viajar para fora do Brasil e do Mercosul. Ele é emitido nos postos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento em portos, aeroportos e fronteiras.

O primeiro passo para solicitar o CVI é agendar o atendimento. No site do Ministério da Agricultura você pode consultar todos postos de atendimento.

Depois você deve seguir os passos abaixo:

  1. Preencha corretamente e imprima o Requerimento para Solicitar o Certificado Veterinário Internacional – CVI no site do Ministério da Agricultura.
  2. Imprima o Modelo de Atestado de Saúde e solicite a um médico veterinário para que seja emitido o Atestado de Saúde de acordo com os prazos e requisitos sanitários do país de destino.
  3. Reúna a documentação complementar exigida pelo país de destino, que deve ser consultado junto ao consulado antes da viagem. Existe uma lista de Exigências Gerais e Documentação Básica que pode ser consultada AQUI

É importante destacar que o CVI só tem a validade de uma viagem. Toda vez que você precisar tr.ansportar seu pet em um voo ele deverá ser solicitado novamente. Além disso, é importante solicitar o CVI com pelo menos 30 dias de antecedência para evitar dores de cabeça na hora do embarque.

O Passaporte para Trânsito de Cães e Gatos

como fazer passaporte oara viajar com seu petTambém conhecido como Passaporte Pet, o documento passou a ser emitido pelo Ministério da Agricultura em 2004. Ele é aceito em viagens nacionais e para os países participantes do Mercosul, e substitui o CVI. A grande diferença aqui é que, diferente do CVI que deve ser emitido em cada viagem, o passaporte pet tem validade durante toda a vida do animal, e não há necessidade de emissão de um novo documento. Para destinos nacionais ele também substitui o atestado de saúde do animal.

O passaporte para seu bichinho não tem nenhum custo. É gratuito.

No passaporte irão constar informações como nome e endereço do dono, nome, sexo e descrição do animal, espécie, raça, pelagem, dados de vacinação, número do microchip e demais informações relevantes. O documento será emitido em português, espanhol e inglês.

A emissão do passaporte pet não é obrigatória, mesmo para destinos nacionais. Por isso, se você não pretende fazer muitas viagens com seu animal de estimação você ainda pode optar pelo uso do CVI. Caso contrário, é recomendado utilizar o passaporte, que tem validade vitalícia.

Vale destacar que o documento só será emitido para animais nascidos no Brasil ou criado por residente brasileiro e com 90 ou mais dias de vida.

Para solicitar o passaporte siga as instruções abaixo:

  1. A carteirinha de vacinação do seu bichinho de estimação deve estar atualizada. Caso necessário, dê novas vacinas e fique atento para os prazos de validade exigidos pelo país de destino.
  2. Solicite o Atestado de Saúde que declare o bom estado sanitário do animal a um médico veterinário, também se atentando para os prazos de validade exigidos.
  3. Faça a implantação de um microchip de identificação. O microchip funciona como identificação do seu bichinho e alguns dados, como número, data de aplicação e localização irão constar no passaporte.
  4. Imprima e preencha corretamente o Requerimento para Concessão de Passaporte para Cães e Gatos no site do Ministério da Agricultura.

A próxima etapa é agendar o atendimento em um dos postos da VIGIAGRO que estão habilitados para emitir este documento. Para ver os endereços e telefones disponíveis clique AQUI.

Você deve comparecer na data do atendimento portando os seguintes documentos:

  • Documento oficial de identificação (RG, CPF) e comprovante de residência no Brasil.
  • Comprovante de aplicação do microchip no animal de estimação. O comprovante deve conter a localização, número e data de aplicação, devidamente firmadas pelo técnico responsável.
  • Declaração do proprietário listando as pessoas autorizadas a realizar o trânsito do animal com a finalidade de companhia.

Caso o proprietário não possa comparecer ao posto de atendimento o representante legal deve estar portando uma procuração autenticada. Se não houver nenhum contratempo o passaporte será emitido em um prazo de 30 dias úteis e poderá ser retirado gratuitamente no posto de atendimento.

Transporte

Agora que você providenciou toda a documentação necessária, é hora de pensar no transporte do seu bichinho.

O primeiro passo deve ser buscar informações junto às companhias aéreas. Nem todas permitem o transporte de animais, e algumas permitem que o animal viaje apenas no compartimento de cargas. Em quase todos os casos existe algum tipo de restrição, por isso a busca por informações é imprescindível.

Passaporte para trânsito de cães e gatos

A seguir você deve procurar a caixa ou bolsa de transporte adequada. Isso varia de acordo com o tamanho do animal, mas existem alguns parâmetros que devem ser seguidos. Independentemente de qual você escolha, ela deve ser bem ventilada, resistente, e com um tamanho adequado para o seu bichinho. O recomendado é que ela tenha o tamanho suficiente para que o animal possa dar uma volta completa em torno de si. Além disso a porta não pode abrir facilmente e não pode ser trancada com nenhum tipo de cadeado ou lacre. A caixa também não pode ter rodas e objetos soltos dentro dela, mas pode ter alça.

Também é muito importante poder dar água para o seu bichinho ao longo do trajeto. Caso o transporte seja feito dentro da cabine, é importante encontrar uma caixa ou bolsa que permita que você dê agua ao seu bichinho sem ter que abri-la. No caso de transporte do compartimento de bagagem, existem bebedouros que podem ser fixados na portinha. Apenas certifique-se de que ele está bem preso.

A caixa de transporte também deve estar forrada com material absorvente, como jornal ou tapetinho higiênico. E, claro, não esqueça a identificação, tanto do animal quanto da caixa, especialmente se o transporte for feito no compartimento de cargas.

Outro detalhe de grande importância que deve ser levado em consideração é que só é permitido um animal para cada caixa de transporte. A única exceção é para filhotes de até 45 dias poderem viajar com a mãe, e mesmo assim existem restrições que devem ser consultadas em cada companhia aérea.

Conforme mencionamos anteriormente, cada companhia aérea possui suas regras que devem ser consultadas previamente para evitar transtornos na hora do embarque. Entretanto, muitas delas possuem algumas coisas em comum. Por exemplo, para os animais que vão viajar na cabine será necessário poder acondicionar a caixa de transporte ou sacola embaixo do assento à sua frente, e a portinha da caixa não poderá ser aberta durante o voo.

No caso do transporte do pet no compartimento de carga, a caixa será presa no chão com cordas e cintos. O compartimento é pressurizado e iluminado e geralmente mantém a mesma temperatura da cabine. Nestes casos, no desembarque a caixa com o animalzinho será transportada até a área de retirada de bagagens, e não será colocada na esteira.

Mas quanto custa viajar com o pet?

O custo final para viajar com seu bichinho de estimação pode ser bem alto, considerando toda a documentação, visitas ao veterinário e caixa de transporte. Mas também existe as taxas de cada companhia aérea.

Cada uma delas irá cobrar um preço diferente, por isso, é necessária a consulta prévia para calcular com precisão os custos com o transporte. Como exemplo temos duas das maiores companhias aéreas brasileiras.

A TAM cobra uma taxa de R$ 200,00 para o seu pet viajar na cabine, desde que o peso do pet mais a caixa não ultrapasse 7 kgs. Animais que ultrapassarem este peso deverão viajar no compartimento de bagagem, com um limite total de 45 kgs. Neste caso a taxa cobrada é de R$ 90,00 + peso total do animal com a caixa multiplicado por 0,5% do valor cheio da passagem. O prazo para fazer a reserva é de 48h antes do voo para transporte no compartimento de bagagem e 24 horas para viagem na cabine.

No caso da Gol o valor para o transporte dentro da cabine é de R$ 150,00 para animais de até 10 kgs (animal + caixa). Caso o peso seja maior, o bichinho ira viajar no compartimento de bagagem e o limite de peso máximo é de 30 kgs. O valor para esta modalidade de transporte é uma taxa de R$ 90,00 + peso total do animal com a caixa multiplicado por 1% do valor total da passagem. O prazo para a reserva é de até 3 horas antes do voo em ambos os casos.

Reforçamos que é de extrema importância consultar a companhia aérea que você pretende viajar com muita antecedência, tanto para consultar as regras e restrições quanto para determinar o valor do transporte. As empresas se reservam o direito de embarcar o animal de estimação se acharem que pode criar risco do voo, portanto, reúna todas as informações necessárias antes de comprar a passagem.

🐶 Outras dicas

A seguir vamos dar algumas dicas que podem facilitar todo o processo de transporte do seu bicho de estimação, incluindo a adaptação.

  • Uma das dicas mais importantes é iniciar o processo de adaptação do seu pet à caixa de transporte. A nossa sugestão é que cerca de 15 a 30 dias antes da viagem você comece a acostumar seu bichinho a ficar dentro da caixa. Para conseguir isso é importante tornar a caixa um local familiar para o animal. Portanto, vale colocar petiscos e refeições dentro da caixa, montar uma caminha, colocar os brinquedos lá dentro, etc. E deixe a caixa sempre em um lugar disponível na casa, um lugar que o animal costuma frequentar. Depois de um tempo comece a fechar a portinha e deixe-o lá dento por pequenos períodos de tempo. Vá aumentando gradativamente e comece a fazer isso em momentos que você não vai ficar perto para que ele também possa se acostumar com a sua ausência.
  • O uso de calmantes e sedativos também não é recomendado, a não ser que receitado por um médico veterinário. A viagem pode ser muito estressante para o bichinho, mas os riscos de sedá-lo sem acompanhamento veterinário são maiores ainda. Entre os perigos estão a sedação excessiva, ansiedade paradoxal ou até mesmo excitação. Aproveite as visitas ao veterinário para perguntar sobre o uso de sedativos ou não.
  • Outra coisa que pode ajudar a acalmar o seu bichinho de estimação é deixar um pedaço de pano ou peça de roupa com o seu cheiro dentro da caixa de transporte. Desse jeito eles vão se sentir mais seguros e vão perceber que você não está muito longe. E, claro, faça muito carinho e brinque bastante com ele antes de embarcar.
  • Um dia antes da viagem também é recomendado dar um banho completo no seu bichinho. Corte as unhas e faça a tosa se for necessário. Também não dê alimentos pesados, e faça com que a sua última refeição ocorra entre 2 e 3 horas antes do embarque. Caso contrário, seu bichinho pode sentir enjoo durante a viagem. Água tá liberado e pode ser dada à vontade, inclusive no saguão do aeroporto.
  • Esteja sempre com a guia do seu bichinho em mãos, e aproveite os momentos antes do embarque para passear com o seu pet. Além de reduzir o stress do animal, ele também poderá urinar e defecar, e você poderá deixa-lo bastante hidratado com água.
  • Caso haja atraso nas conexões, não se preocupe. Os funcionários geralmente são instruídos a dar água e comida para os bichinhos sendo transportados.

Tem mais dicas para transportar um bichinho de estimação sem muito stress? Gostou de nosso artigo? O que acha do Passaporte para Trânsito de Cães e Gatos?

documentos para viajar para o exterior com seu pet

Deixe seus comentários abaixo, nós queremos saber quais são as suas experiências em viagens com pets! Boa viagem!! ✈️

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *